Lentes de Contato

A adaptação de lentes de contato é um ato médico que deve ser feito pelo oftalmologista. O uso de lente de contato sem acompanhamento e supervisão médica adequada expõe o usuário a inúmeros riscos à sua saúde, pois diferentemente dos óculos, há um contato íntimo com a córnea e superfície ocular.

As lentes de contato podem ser adaptadas com finalidade estética e terapêutica. Para algumas pessoas, a visão com lente de contato é melhor do que com óculos; para outras, portadoras de alterações anatômicas, no entanto, melhoram a estética, aumentando a autoestima.

Pode ser uma opção aos óculos por razões estéticas e funcionais (como a prática de esportes) tendo indicações médicas, como nos casos de ceratocone, pós-transplante de córnea e em complicações de cirurgias refrativas, situações que muitas vezes levam à uma baixa visual a qual não pode ser corrigida com óculos, sendo a adaptação de lentes de contato especiais a melhor alternativa para fornecer ao paciente uma visão normal e melhora na qualidade de vida.

Nos últimos anos, observou-se um grande avanço tecnológico nos desenhos e materiais das lentes de contato, e, atualmente, há inúmeras opções para atender às necessidades da maioria dos pacientes, com melhora da visão, conforto e saúde ocular. Temos as lentes gelatinosas e rígidas gás-permeáveis, que também podem ser tóricas (para correção do astigmatismo) e multifocais (para correção da presbiopia após os 40 anos de idade).

Nos casos em que há irregularidade da superfície corneana, como no ceratocone, pós-trauma, pós-transplante de córnea e por complicações de cirurgia refrativa, muitas vezes temos que lançar mão de lentes rígidas gás-permeáveis com desenhos especiais para propiciar melhor visão e conforto ao paciente. Recentemente, chegaram ao mercado as modernas lentes esclerais e semi-esclerais, que têm um grande diâmetro e se apoiam sobre a esclera (a parte branca dos olhos), proporcionando mais estabilidade sobre a córnea irregular, com melhor visão e conforto.

Escolher a melhor lente, bem como a marca mais adequada para cada paciente é um processo que depende, necessariamente, de uma investigação feita pelo médico oftalmologista. É ele o profissional adequado para fazer a melhor adaptação, com objetivo de assegurar que o paciente tanto o conforto quanto uma ótima saúde ocular.

- As complicações mais comuns, relacionadas ao uso de lentes de contato, geralmente são induzidas por trauma, diminuição da umidificação e oxigenação da córnea e conjuntiva, por alergias e por infecções causadas por fungos, bactérias e vírus.

- A limpeza, manutenção e descarte das lentes e do estojo, a educação do paciente sobre horário de uso e “sinais de perigo ”, as consultas rotineiras para avaliação dos olhos com as lentes, também são cuidados essenciais na prevenção de complicações infecciosas, tóxicas e alérgicas.

- A avaliação médica e o uso de medicamentos específicos de maneira correta, juntamente com a diminuição ou suspensão do uso das lentes, são fundamentais para a recuperação em caso de complicações oculares causadas pelo uso de lentes de contato.

- O conceito que não pode ser esquecido é que você pode estar bem com as lentes agora, mas não significa que estará bem amanhã. Todo o processo é dinâmico e por esse motivo, requer avaliação periódica e modificações de condutas. Dependendo do exame oftalmológico, o oftalmologista poderá reduzir o tempo de uso e descarte das lentes, trocar de material ou produto de limpeza ou até mesmo suspender o uso. São condutas necessárias para a saúde ocular do paciente.

- Lente de contato é um corpo estranho em constante contato com um dos mais delicados e aprimorados tecidos do corpo humano, a córnea, numa interação que nem sempre é pacifica.

- Por isso, se você é usuário de lentes de contato, cuide muito bem delas e dos seus olhos, para que nunca corra o risco de ter complicações oculares que possam levar a redução ou perda da visão.
fonte: soblec.com.br

- Rígidas PMMA:
São mais duráveis e de fácil manutenção, porém como não são permeáveis ao oxigênio, possuem o seu tempo de uso limitado e são mais desconfortáveis.

- Gás Permeáveis
Siliconadas e Fluorcarbonadas: são feitas com materiais que permitem a passagem de oxigênio para a córnea sendo, portanto, mais saudáveis e mais toleráveis que as lentes de PMMA.

- Hidrofílicas (gelatinosas):
São feitas com material flexível e apresentam coeficiente de 38% a 79% de água. São confortáveis desde o período de adaptação.

- LC Silicone-Hidrofílicas:
São lentes que permitem a passagem de oxigênio à córnea de 3 a 6 vezes mais do que as lentes gelatinosas convencionais e descartáveis. Além disso, absorvem pouca água, sendo, desse modo, indicadas para pessoas com olhos secos.

- Antes de manusear as lentes lave bem as mãos, com sabão neutro, cuide especialmente com as unhas e ao secar certifique-se se não há resquícios de toalha nos dedos;

- Faça a limpeza na hora que retira as lentes;

- Use as soluções de limpeza de acordo com as orientações do seu Oftalmologista. Há vários tipos de lentes e para cada uma delas, um cuidado diferente;

- Não lave suas lentes com água da pia ou qualquer produto que não tenha sido explicitamente indicado pelo Oftalmologista. O uso de água corrente para limpeza está associado a um maior risco de contaminações por amebas;

- Tenha um cuidado especial com o estojo, quinzenalmente lavando e limpando cantinhos com detergente neutro e uma escovinha. Depois ferva-o em agua filtrada por 5 minutos. Deixe secar ao ar, sob um papel toalha.

- Coloque as lentes antes de aplicar maquiagem para evitar contaminação. Retire a lente antes de retirar a maquiagem;

- Nunca use saliva para limpar suas lentes, pois a boca tem grande concentração de bactérias;

- Não troque lente com amigos e nunca use as lentes por mais tempo que o indicado.

- Se surgirem sinais de irritação ou infecção, retire as lentes e verifique se há resíduos. Não demore a procurar um Oftalmologista se perceber que a irritação não melhora.
 



Santos/SP

Campo Novo/MT

Horários