A Síndrome do Olho Seco

 

Dizemos que estamos perante um olho seco quando não existem lágrimas em quantidade e qualidade suficiente para manter os olhos lubrificados, podendo o problema afetar apenas um olho (unilateral) ou, então, os dois olhos (bilateral). Na maioria dos casos, o problema afeta os dois olhos.

Em determinadas ocasiões ou circunstâncias, o olho pode estar seco sem que exista qualquer problema ocular ou doença dos olhos. A poluição, o excesso de exposição ao sol, o vento, a exposição ao ar condicionado ou ambientes que de alguma forma tornem o ar mais seco, são fatores que podem atuar como facilitadores na evaporação das lágrimas e deste modo provocar secura nos olhos.

Ver televisão por longos períodos ou a utilização frequente de computador, telemóvel, tabletes, e outros dispositivos digitais também provoca olho seco. Este facto prende-se com a diferença entre o número de vezes que “piscamos” os olhos de uma forma habitual e quando utilizamos este tipo de dispositivos. Para além destes, outros fatores podem estar na origem do problema. Veja mais informação em fatores que contribuem para o olho seco e prevenção.

Na síndrome do olho seco ou doença do olho seco não existe produção de lágrimas em quantidade suficiente ou, então, as lágrimas apesar de serem suficientes não possuem a qualidade necessária para manter os olhos lubrificados.

As lágrimas visam também proteger a superfície ocular das infeções e efeitos nocivos do meio ambiente. Estas contêm vitaminas, minerais, proteínas e lipídios. A presença de todas estas substâncias permite ter lágrimas de qualidade para hidratar, alimentar e lubrificar a córnea.

Olho seco - sintomas

No olho seco, um dos sintomas mais frequentes é a vermelhidão e ardência ou comichão nos olhosAprodução excessiva de lágrimas (“olhos lacrimejantes”), a irritação excessiva do olho (ao fumo ou vento)e o desconforto e complicações com o uso de lentes de contato são também dos sinais e sintomas mais frequentes nos olhos secos.

Os doentes tipicamente referem que sentem os olhos secos e vermelhos, acompanhado de ardor. Pode ocorrer visão turva ou "embaçada", fundamentalmente, ao final do dia. Em algumas situações pode verificar-se dor nos olhos que pode ser mais intensa nos casos mais graves. Os doentes que padecem do síndrome do olho seco podem sentir vários sinais e sintomas que podem causar bastante desconforto, fundamentalmente, na presença de olho seco severo.

Olhos seco - causas

As causas mais frequentes de olho seco são: a idade, menopausa, uso de computador de uma forma continuada ou excessiva, ar condicionado, uso de lentes de contato e alguns medicamentos (diuréticos, anti-histamínicos, benzodiazepinas, antidepressivos, analgésicos e anticoncetivos). O olho seco pode ocorrer em pessoas de ambos os sexos e em qualquer idade, embora o sexo feminino seja o mais afetado.

O diagnóstico deverá ser efetuado por um oftalmologista através de testes que medem a qualidade e a produção das lágrimas. Os testes são rápidos, indolores e não são invasivos.

Olho seco tem cura?

A síndrome do olho seco não tem cura. Contudo, existem formas de controlo eficazes da doença que permitem restabelecer aos doentes uma vida perfeitamente normal. Saiba, de seguida, como tratar o olho seco.

Olho seco - tratamento

tratamento para olho seco passa essencialmente pela utilização de lágrimas artificiais em gotas (colírios) colocadas nos olhos várias vezes ao dia, consoante a necessidade. Por vezes, a utilização de colírios não é suficiente e pode ser necessário utilizar antiinflamatórios, antibióticos, entre outros, para um eficaz controle da doença. Em determinadas situações, a oclusão dos pontos lacrimais é útil, evitando a drenagem das lágrimas pelas vias lacrimais, permitindo a sua manutenção na superfície ocular.

O médico oftalmologista, com base na observação e exames efetuados, tomará a decisão sobre o tratamento para olho seco mais adequado a cada doente.

Os doentes para além do tratamento médico, devem evitar o contacto com os fatores de risco atrás enunciados, como o uso prologando e excessivo do computador (fazendo pausas por exemplo), evitar o ar condicionado, etc.

FONTE: www.saudebemestar.pt